GLAUCO PINTO DE MORAES

Passo Fundo | Rio Grande do Sul | Brasil | 1928

Glauco Pinto de Moraes (Passo Fundo RS 1928 – São Paulo SP 1990). Pintor, desenhista, gravador e advogado. Realiza sua primeira individual na Galeria Yázigi, em 1973 em Porto Alegre. É premiado pela Associação Brasileira de Críticos de Arte – ABCA, pela melhor exposição de pintura, em 1977. No ano seguinte, recebe prêmio de viagem ao exterior no Salão Nacional de Arte Moderna, no Rio de Janeiro. Moraes integra o Conselho de Arte e Cultura da Bienal Internacional de São Paulo e é fundador e conselheiro da Associação Profissional de Artistas Plásticos – Apap. Atua também como assessor especial de artes plásticas da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo. Em suas obras, explora o universo das engrenagens e do maquinário ferroviário.

Glauco Pinto de Moraes retira o tema para suas composições do universo das engrenagens e do maquinário ferroviário. Para a realização de suas telas, o artista inicialmente parte da observação dos trens em pátios de manobras. Posteriormente começa a fotografar as máquinas. As imagens resultantes servem de modelo para suas pinturas.

Em sua poética, explora questões ligadas à forma, cor e textura, por meio da representação dos diferentes materiais que compõem as máquinas. Procura apresentar com realismo seus variados detalhes, como os parafusos sujos de graxa ou o vapor que o maquinário emite quando em funcionamento.

Manivela Vermelha (Série Mecano-Iconográfica n 267), 1983, Óleo sobre tela