01. TERRE HAUTE HIGHLAND: POP ART

coletiva inaugural da galeria / curadoria sofia gotti / de 04 de julho a 09 de setembro de 2017

A exposição inaugural da Galeria Houssein Jarouche apresenta trabalhos em papel de artistas do Reino Unido, Brasil e EUA, selecionados a partir do acervo da galeria. Através da lente da Pop Art, direciona a nossa atenção para alguns dos problemas que ocuparam a geração da década de 1960, com os quais continuamos a nos preocupar até hoje. Evitando uma ordenação cronológica ou geográfica, queremos destacar as inúmeras conversas que emergem entre as obras produzidas internacionalmente ao longo de um período de cinquenta anos.

Terre Haute (Terras altas) – que também dá nome à exposição – é uma cidade no vale Wabash no estado de Indiana, E.U.A. Originalmente uma aldeia indígena chamada Weautuno, foi renomeada pelos exploradores franceses no começo do século XVIII, ápice da era das colonizações. Robert Indiana, figura no panteão dos principais artistas da Pop Art americana, usou esse nome em diversos trabalhos, fazendo interpretações da área atravessada pela estrada de ferro Wabash. Esses trabalhos “sobre geografia”, nas próprias palavras de Indiana, chamam a atenção crítica para os nomes traduzidos da cidade e do vale Wabash, que é a grafia em inglês da palavra que os índios Miami usam para designar ‘rio’.

Essa breve história sobre o nome Terre Haute captura muitas das questões que a Pop Art levanta, enquanto entendida como uma categoria artística internacional, abordadas nas obras expostas: nomeação, tradução, imperialismo e exploração. O Pop surgiu internacionalmente ao final dos anos 1950 e começo dos anos 1960 em resposta a uma mudança no ritmo do dia a dia, à proliferação da cultura comercial e ao movimento de liberação sexual. Desafiando a separação entre ‘alta arte’, elitista por definição, e ‘arte popular’, caracterizada pela acessibilidade e seu uso de lugares comuns.